10 perguntas a Raquel Gaspar Silva

Raquel Gaspar Silva nasceu em 1981, em Évora. Licenciou-se em Estudos Portugueses pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estudou Criatividade Publicitária na Restart. Fábrica de Melancolias Suportáveis é o seu primeiro romance, um romance cuja ação decorre no Alentejo, marcado por um registo muito português. Talvez foi o que mais gostei neste livro, as tradições portuguesas como pano de fundo, os provérbios e rituais, os “dizeres”  como linha da verdade para alguns dos personagens.

Carlota é o nome da protagonista. É a história da própria Carlota contada através das imagens que guarda dos outros o que encontramos neste Fábrica de Melancolias Suportáveis, uma leitura quase visual.

Raquel Gaspar Silva uma nova voz na literatura portuguesa que podes também conhecer através do projeto de poesia, #domesticliteraturemovement, onde publica com o pseudónimo rawquel.

Escrever é a minha vocação.

Houve um dia no qual decidiste ser escritora?
Houve um dia em que o meu editor, depois de muito trabalho conjunto, me perguntou: “Vamos fazer um livro Elsinore?”.

O que é ser escritora?
Eu distingo o estatuto do acto de escrever. Escrever é a minha vocação. O estatuto é a condição que advém de fazer da escrita a minha actividade profissional.

O facto de seres mulher influência o ofício de escrever?
Sim. Escrevi este primeiro romance enquanto mãe a tempo inteiro e dona de casa. Encontrei o meu ritmo entre mudas de fraldas e preparar refeições, e outras tarefas inerentes a esta responsabilidade. Optei por ficar em casa com a minha filha em vez de trabalhar. E é nesta escolha que fiz, que reside o preconceito, porque a sociedade vê aqui um luxo. E devia ser um direito, acessível a todos. Há depois a questão da condição feminina, que sempre me interessou e perante a qual me posiociono do lado da luta pela igualdade.

Porquê escrever?
Costumo dizer: para arrumar fantasmas. Mas para simplificar, funciona como uma necessidade e um dever. Quando te surge a ideia de um livro, escreves. Se erras, assumes. É uma consequência da tua determinação, evitas o arrependimento (os tais fantasmas) de nunca o teres feito. Ou pelo menos tentado.

Quem te inspira, quem admiras?
Admiro valores, talento e trabalho árduo.
Enquanto leitora, tenho as minhas preferências:
Clarice Lispector, Anne Sexton, Nabokov… não acaba mas foram os primeiros nomes que surgiram.

Tens algum ritual ou mania antes, durante ou depois de escrever?
Escrevo mais fluidamente e com melhores resultados de manhã, bem cedo, de preferência quando tudo dorme ainda. Tiro muitas notas, tenho vários cadernos e folhas soltas onde anoto frases ou palavras.

Planificas a estrutura do livro, como surgiu a ideia de a Fábrica de Melancolias Suportáveis?
Fábrica de Melancolias Suportáveis é um depósito de memórias sentimentais. Contei uma história que já conhecia. Ficcionei uma história que conhecia. Depois de muito trabalho conjunto de edição, que inclui reescrever, selecionar, acrescentar, organizar e aperfeiçoar, surge o livro. Sei que o método será diferente no próximo romance.

Hoje escreveste?
Sim. Um mini guia de viagem. Uma lista de afazeres. Um esboço de algo que estou a preparar. Como já são 9.30 da manhã, retomo amanhã.

O que achas que vamos ouvir dizer de Raquel Gaspar Silva daqui a 10 ou 20 anos?
Espero continuar a escrever, o que dirão não consigo prever.

O que estás a ler neste momento?
Herta Muller, Hoje preferia não me ter encontrado.

 

 

Texto escrito por

 

Anúncios

A tua opinião é importante

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s