Escritoras, prémios literários e capas de livros

Hoje, 13 de Março, levantei-me, preparei o pequeno-almoço e sentei-me na mesa de trabalho e comecei a pensar sobre o que escrever hoje.

 O tema escolhido foi as escritoras, prémios literários e capas de livros.

Não podemos negar que historicamente as escritoras são esquecidas no momento de receber prémios mas parece que algo começou a mudar quando Alice Munro ganhou o Nobel de Literatura ou então não… porque as resenhas, a notas nos meios de comunicação, os artigos na imprensa ainda são desiguais.

Quando a canadense Alice Munro ganhou o Nobel de Literatura muitas outras escritoras foram galardoadas com outros prémios o Man Booker Prize ficou para a neozelandesa Eleanor Catton; o Pulitzer de ficção foi para a norte-americana Donna Tartt; o Cervantes premiou a mexicana Elena Poniatowska; enquanto o National Book Critics Circle agraciou a nigeriana Chimamanda Ngozi Adicihie e a norte-americana Sheri Fink.

Esta onda de reconhecimento chamou a nossa atenção uma vez que historicamente a representação feminina em prémios literários é baixa. Munro, por exemplo, foi a 13ª mulher a ganhar o Nobel desde que ele começou a ser entregue, em 1901, enquanto Poniatowska foi apenas a quarta premiada nos quase 40 anos de história do Cervantes.

Esta situação acontece apesar das mulheres, em geral, lermos mais. Existem pesquisas que mostram que as mulheres lemos mais, tanto por iniciativa própria quanto a obras indicadas pela escola, e tendemos a concluir mais livros do que os homens. Além disso, a mãe é apontada pelos entrevistad@s como a segunda maior figura incentivadora de leitura, atrás do(a) professor(a) e à frente do pai.

Com estes dados a minha questão é: Se lemos mais, porque é que as mulheres são menos lidas?

Depois de começar, em 2008, esta minha intenção de ler mais escritoras e descobrir as suas obras acho que em geral, a questão não está apenas em conseguir ter um livro publicado, mas em como é que ele é publicado – na atenção que recebe da editora, dos meios de comunicação e dos prémios.

É verdade que as possibilidades de publicar não são as mesmas apesar de eu querer acreditar que as editoras estão interessadas na qualidade da literatura, e na qualidade de venda dessa literatura. independentemente de quem a escrever mas há uma coisas que é inegável a diferença que existe no “reconhecimento oficial”.

Basta-nos olhar para as listas d@s finalistas dos prémios mais importantes da literatura e concluímos que a média de mulheres é inferior aos homens, sem falar que raramente recebem o prémio principal. Para além dos prémios, as mulheres também tendem a ter menos espaço na imprensa, como podem comprovar por vocês mesmas no relatório anual norte-americano conhecido como “VIDA Count”. O mais recente, divulgado em Fevereiro, apontou que, em 2013, a maioria das publicações literárias no mundo produziu bem mais críticas de livros escritos por homens.

No “London Review of Books”, por exemplo, foram publicadas resenhas de 245 livros de autores masculinos e 72 de escritoras mulheres; no “New York Review of Books” foram 307 contra 80; na revista “The New Yorker”, 436 contra 136; na “Paris Review”, uma rara excepção: por um livro, as mulheres foram maioria.

Agora é momento de olharem para a vossa estante de livros e verem se, como a maioria das pessoas, os vossos hábitos de leitura estão a ser guiados pelo sexismo do mercado editorial e dos meios de comunicação.

Com o projecto Confraria Vermelha – Livraria de Mulheres, 
espero que consigamos entre tod@s 
construir um espaço não só para dar visibilidade as escritoras mas também para dar espaço a diversidade da escrita feminina. 

Como escrevi no início do texto hoje também me apetece falar na questão da capa

Acho que para fortalecer a posição da mulher no mercado editorial… temos de deixar essa mania que as editoras têm de vender livros escritos por mulheres com capas com “toque feminino”, cheias de flores e cores suaves porque na maioria das vezes essas capas dão uma impressão errada sobre o tema da obra. As editoras fazem uma equação super estranha: se o livro é escrito por uma mulher estão vai ser lido maioritariamente por mulheres logo para vendermos o livro a mulheres temos que ter capas com flores e cores suaves porque é o que as mulheres gostam.

As ideias do mercado editorial sobre o que as mulheres querem são antigas e condescendentes. Para além disso quando um romance é ‘embalado’ exclusivamente para mulheres, não estamos apenas a limitar metade do público leitor mas estamos a classificar a sua autora como uma autora que o establishment literário pode ignorar.

É por isso que os prémios, as livrarias especializadas em livros escritos por mulheres podem ser um bom sinal, se os editores e críticos virem mais e mais mulheres a conseguir reconhecimento penso que com o tempo talvez deixem de vender os livros escritos por mulheres com truques de marketing sexista.

Uma amiga dizia-me a uns dias: Mas podemos correr o risco de que escolham as mulheres não pela qualidade da obra e sim porque “fica bem” em questões de igualdade!!!!

Para quem esta verdadeiramente interessad@ em literatura, penso que há duas questões. Uma é que somos todos iguais, então não tem de haver distinção: nem para seleccionar, nem para excluir. Por outro lado, depois das pessoas descobrirem que homens e mulheres podem ser óptimos escritores, é hora de investigar quais são as diferenças – porque elas são ricas e interessantes. Quanto mais singular e diferente, mais forte é a experiência literária.

Por isso quando pensei em abrir uma Livraria de Mulheres foi por acreditar que precisamos, todos e todas, um espaço que dê espaço as mulheres, as desconhecidas, as importantes, as de prestígio… Todas têm o seu quarto próprio na livraria Confraria Vermelha não por serem mulheres, mas porque são grandes narradoras, grandes escritoras e grandes intelectuais.

As/os leitoras/leitores não podem descobrir a diversidade da escrita feminina se ela não for oferecida na mesma medida que é oferecida a dos homens.
 CONFRARIA VERMELHA - LIVRARIA DE MULHERES
Não se esqueçam que continuamos em contagem decrescente 
para fazermos acontecer juntas.
Temos 3 dias para tornar este projecto uma realidade.
APOIA»» e anima os teus amigos e amigas a fazer o mesmo.

Um abraço da vossa livreira vermelha ;)

Image and video hosting by TinyPic

Anúncios

A tua opinião é importante

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s